Como burocratizar o fim de uma poesia

Facebook Twitter Email

Um ponto
.
Final,
sisudo,
cheio de doutrinas e pormenores

Dois pontos
:
Simétrico,
simbólico,
finge ser democrático,
a hora da respirada: a hora em que o mundo te escuta.

Reticências

Bando,
ordeiros,
cordeiros sem saltitar.
Inofensivos e tão cheios de esperança.

Uma Assembleia foi convocada para estabelecermos o final desta poesia.
Não sabemos se é
.
ou

O :
foi descartado pelo baixo número de votos, afinal ninguém liga para os meios,
para a respirada que antecede a ação.

O povo quer conclusões,
sejam elas ditatoriais ou cheias de falso amor.
Dou-lhe uma…
Dou-lhe duas…
Vendido para o senhor de terno cinza que ofereceu 100 mil dólares.

[Pedro Henrique Araújo] – Mais poesias do autor



Os comentários estão desativados.