Escombro

Facebook Twitter Email

meu pau palpita na tua boceta
você boceja

minha língua limpa teu desprezo
sabor desejo

minha tristeza entra na tua entranha
manha sacana

meu toque tateia teu peito
arrepio por dentro

meu ego ecoa teu eco meu ego ecoa teu eco meu ego ecoa teu eco meu ego ecoa teu eco
incerto berro oco incerto berro oco incerto berro oco incerto berro oco incerto berro oco

minha porra lambuza tua garganta
nem puta nem santa

meu beijo suga teu hálito
e os pequenos lábios

meu braço abraça teu ombro
aqui, nosso escombro

[Jr. Bellé] – Mais poemas do autor

….



Os comentários estão desativados.