O eu lírico

Facebook Twitter Email

Eu Lirico

esse canalha
suicidou-se
 
Se sinto
ainda é
decomposição
do tudo
do belo
das já
tediosas
tórridas
semanas.
 
Feto que
já fede
promessas
eternas
ecoam
na cova
nem tão
funda
 
Poderia
incinerá-lo…
 mas, não
 

A cada miligrama
de putrescina
de cadaverina
que escapa
do jazigo
 um poema me sai
uma palavra me cai
e bem
 
Como a larva
percorre
memórias podres
tomba tumba
lavra terra
vira luto
esvai -se
em sangue
 
Renasce
bucha vegetal
e lava- alma.

[Fergath]



Os comentários estão desativados.