O sonhador que colhe beringelas na terra das flores murchas

Facebook Twitter Email

onde vossa miséria é ourives do mundo
então, enquanto a rosa colora de roxo todo ouro impune
lá no alto, no píncaro dos pícaros, onde língua é afiada a facão
lê-se em violetas gigantescas:

ESQUECEU QUE PARA UM SONHO DE VERDADE
SE PERDE A VIDA INTEIRA?

e no instante em que dos olhos desaparece a cor desaparecida nos olhares
a orquídea rega a beleza com o sonho esquecido

é a alma procurando-se entre os destroços
entre a carne, entre os ossos
entre a obscura pálpebra do coração em que a bromélia vasculha os desejos

pois é no útero estéril da ignorância
que se ilumina a grande fertilidade dos tolos
junto da líquida papoula que voa
o seu maldito e delicioso disparo de enganos

assim o lírio oficial chora uma última assinatura
uma última mentira de envelope em seu envelope de mentiras

e ainda persiste este incômodo sinônimo de dor que é a vida
e prospera o transeunte girassol em seu magma púrpuro
cortejando a lua num lamaçal de estrelas

[Jr. Bellé] – Mais poesias do autor

Esta poesia integra e nomeia o primeiro compêndio poético do autor, que compreende poesias escritas de 1999 até 2010. Para baixar o livro e outros trabalhos, clique aqui.



Os comentários estão desativados.