Sobre a primavera mais invernal de todos os tempos

Facebook Twitter Email

Todos os olhos fechados
Todos
A cantar os cantos inaudíveis
Todas as bocas abertas
A falar frases ecoáveis
Todas
As palavras não ditas
Ecoam o vento torpe dos batuques
Todos os cheiros vazios
Todos
Demonstram a balbúrdia dos pretextos
Todos os ouvidos tortos
Todos
A apontar convexos horripilantes
Todas as mãos
Todas
A cortar os prelúdios refeitos

[Suzanna Ferreira] – Mais poesias da autora



Os comentários estão desativados.