Sobre as (in)certezas e esse meu corpo que é minha casa

Facebook Twitter Email

Acho que ouvi Smiths demais aos 15 por causa de um primo do campo que nunca mais falou comigo e agora todos os meus títulos são uma porra de uma frase.
Mas eu ando menos sistemática. Mesmo não sendo nada romântico eu sempre gostei das certezas.

Agora já pari esse filho sangrento e não sou mais obcecada por elas.
Eu tenho só sido.
Eu tenho esse corpo que é meu e que eu posso dobrar como eu quiser.

Não é assim tão saudável mas é esguio e resistente e consegue caminhar bastante.

Eu posso ir a quase todo lugar.

Quero ir à Cuba e Pernambuco e depois voltar pra Laguna com os pescadores do meu lugar redondo laranja ou só poder sentar sempre na janela enquanto for noite, sem importar que a estrada seja assim tão fodida.

As estradas mais fodidas podem ser as mais bonitas.
Janela escancarada.
Eu to aqui.
Por que eu vim.

[Duda Caciatori] – Mais poesias da autora



Os comentários estão desativados.